sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Teima

Ser aficionado por um tema é como viver fixado numa teima.

Dependência

E nenhum lugar dos apartamentos modernos recebeu nome mais honesto do que a "dependência" de empregada.

Tatuagem

Minha tatuagem,
Ao meu ver,
Não é só imagem
Mas modo de ser.

Neologismo (Texto de meu pai)

NEOLOGISMO
Entre a causa e o efeito, / tênue liame há, indecifrável,/ feito um coluiuo,/ um conciliábulo/ e ou um triuntratado/ assim composto:/ o agente, o paciente e o fato bruto,/ pronto e acabado,/ sujeito ao deus dará.

Ética

Escutando uma notícia a respeito do tufão que vitimou milhares de pessoas hoje nas Filipinas, lembro-me das palavras do Prof. Vincenzo Di Matteo: a natureza não é ética. E não é mesmo. Quem, em sã consciência, culparia a natureza? Mas se não devemos atibuir-lhe culpa, considerando-a má, tampouco deveríamos continuar dizendo que a natureza é boa, mãe etc. Devemos parar de falar sobre a natureza utilizando categorias morais atribuíveis legitimamente apenas aos seres humanos, porque "bom" e "mau" dizem respeito à conduta de indivíduos que podem fazer escolhas e que devem ser responsáveis pelo modo que decidem agir.

Haikai Urbano

Prédios e faróis
Ocultam "tão bem" o céu
E apagam os sóis

Palavra exata

Aquela palavra exata
Ora dura ora suave
Sempre se ausenta
Bem na hora chave

Haikai sertanejo



No seco sertão
Serpentes e lagartos
Me molham os olhos

Cozinhar

Acho inadmissível que uma pessoa chegue aos 18 anos de idade e não saiba cozinhar pratos simples. Isso é uma questão de autonomia para o sujeito. Todo mundo deveria ter um momento na adolescência para aprender a preparar sua própria comida. Até as pessoas que hoje contratam os serviços de um especialista ou que comem diariamente em restaurantes precisarão em algum momento dar conta desta atividade que, em princípio, pode parecer chata, mas que também tem a potencialidade de ser surpreendentemente desafiadora e deleitante. Sonho com o dia em que meu Face vai bombar com imagens de jovens de ambos os sexos exibindo os pratos que fizeram e não apenas com fotos da primeira carteira de motorista. Pra terminar, sugiro inclusive que a escola também se responsabilize por esse ensino. Mais culinária, esportes e artes nas escolas. Ou seja, educação em tempo integral.

Imagem-miragem

Me dei conta de que não apenas a miragem é um tipo de imagem, mas que toda imagem é, no fundo, uma forma de miragem.

Negra

Situação 1

A - Você pode me emprestar seu lápis?
B - Sim, claro. Ele está ali com a Maria.
A - Qual das suas amigas é a Maria?
B - A negra.
A - A moreninha?
B - Não. A negra.

Situação 2

A - Você trouxe a camisa que disse que me emprestaria?
B - Não, cara, houve um problema.
A - Que problema?
B - A Maria queimou a blusa enquanto passava o ferro. Foi um acidente.
A - Ah, a Maria. Só podia ser negra.

________________xxxxxxxxxxxxxxxxxx______________

A palavra "negra" é empregada nos dois diálogos. Mas seus usos são diferentes. E o personagem A, do primeiro diálogo, nem a utilizou, mas mesmo assim agiu de modo racista.

Este texto bem bobinho que escrevi tem apenas a intenção de mostrar uma coisa óbvia: uma palavra não tem valor absoluto. Seu contexto determina seu sentido e intenção. Usemos a palavra "negro" quando falarmos com pessoas negras. Qual o problema? Uso "negro" no diminutivo e no feminino para falar com minha esposa (neguinha) e no aumentativo (negão) para falar com vários amigos que muitas vezes nem são negros.

Atendimento

Eu compreendo que as empresas desejam garantir um padrão no atendimento aos (às) clientes, mas o que tenho visto me irrita. A impressão que me dá é a de que nas raras ocasiões nas quais falo com um(a) telefonista de carne e osso eu estou falando com uma máquina, tamanha a artificialidade nas ações e reações dos (as) atendentes. Pra piorar, muitos estabelecimentos comerciais parecem treinar os (as) balconistas a partir da mesma cartilha que induz o pessoal a repetir exaustivamente (que dó) fórmulas pseudogentis. Mesmo o "olho no olho" não impede muitos (as) profissionais de se comportarem de maneira autômata, sem qualquer espontaneidade e carisma. As empresas - e os (as) clientes - não precisam de profissionais bem treinados (as), mas de pessoas educadas que sabem ser simpáticas e competentes.

Mim

Em mim há abismos
E cataclismos sem fim
Há vulcões e há sismos
Mas tudo enfim vira jardim

Haikai



Mysterious oceans
Fishes and dolphins swim
They have no options

Ficção

A boa ficção causa uma fricção que não enjoa o juízo.

Alma

Sob toda e qualquer roupa
Há sempre uma alma nua
Careta é aquele que se poupa
E de alma nua não sai à rua

Arte

Se é arte então arde em alguma parte.

Silêncio

Como saber se o silêncio do psicanalista é metodológico ou uma maneira de omitir a insegurança e a ignorância teórica?

Moral

Não é sempre, mas muitas vezes os limites de uma concepção moral implicam em limites de ordem cognitiva.

Obra de arte

Nada me arte tanto o coração como uma bela obra de parte.

haikai-dor

minha dor, dor minha
dorme, dorme quietinha
dorzinha

Haikai,,,

Relva e selva
Verdejam e sossegam
Bichos e homens

Mural do Facebook

Mural do Facebook? Muro das lamentações, provocações, citações, excitações, indignações e de todos os estados da alma.

Leitura

Parece-me que a quantidade (e, o que é pior, a qualidade) dos livros lidos por um cidadão brasileiro não é muito inferior à dos professores. Mas não há motivos para júbilo. Não é a população em geral que lê tanto assim. Somos nós, professores, enleados em tarefas intermináveis, que lemos cada vez menos.

Liberdade de expressão

O comediante geralmente defende-se alegando liberdade de expressão e fica chateado quando parcela do público usa o mesmo princípio para criticá-lo.

Velhice

Uma pessoa não se torna boa ao virar mãe ou ao ficar velha. Não é a maternidade nem a terceira idade (muito menos a senilidade) que purificam uma vida mesquinha e rabugenta. Pelo contrário, algumas pessoas tiram vantagem dessas condições para continuarem destilando sua infelicidade.

Corpo

Mesmo imperfeito eu sou o prefeito desta coisa nada pública que é o meu corpo.

Haikai...

manhã arvora
tomar banho agora
oh, que glória


feito com sheila

Cansaço

Venceu o cansaço
E me sinto na lama.
Eu não sou de aço
E quero uma cama.

Paciência

Paciência: um tipo de paz que conduz à ciência ou uma espécie de ciência que conduz à paz?

Sentidos

Decompor palavras e reconstruir sentidos.

Abraço

Que nem mesmo o cansaço esgote a força do abraço.

Falta ar

Só me falta ar quando quero respirar...

É difícil

Não fui eu que percebi pela primeira vez, mas poucas vezes eu vejo alguém falando sobre isso. É o seguinte: o tempo de exposição ao sol a que um banhista tem direito na praia de Boa Viagem é muito reduzido. Depois das 14 h apenas estreitas faixas de sol queimam a areia, pois imensos anteparos de concreto impossibilitam a passagem mais ampla dos raios solares. Não bastasse o comprometimento da circulação de ar, os altos edifícios da Av. Boa Viagem ainda limitam o banho de sol da população. Em outras cidades do Brasil (João Pessoa, p. ex.) e do mundo (Barcelona, p. ex.) as pessoas podem aproveitar a praia por muito mais tempo.

É evidente que não proponho a implosão dos edifícios, mas é bom que tenhamos isso em conta antes de propalarmos descuidadamente que prédio alto é sinônimo de progresso.

Sem carro

Faz quase três meses que não tenho mais automóvel. Não tenho um dedinho de arrependimento. Costumo ir caminhando para o trabalho (reconheço que isso é um privilégio). Mas para ir a outros lugares eu costumo usar ônibus. Quando tenho uma graninha e estou atrasado (ou quando é muito tarde) eu recorro ao táxi. Às vezes, ainda rola uma carona de um amigo generoso (e tenho muitos).

Claro que o sistema de transporte público ainda deixa a desejar. É verdade que é mais confortável enfrentar um engarrafamento no carro do que no ônibus. Mas não volto atrás na minha decisão. Tenho economizado um bom dinheiro ao me livrar do carro, ao passo que tenho vivido experiências "antropológicas" marcantes no interior dos coletivos.

Nos ônibus, eu vejo as pessoas sem o filtro dos vidros e das películas escuras; converso com elas; ensinam-me. Vejo gente na sua capacidade surpreendente de ser diferente.

Eu consigo ter algum prazer me deslocando de ônibus. Sim, tenho sim. O principal deles é a soneca que tiro quando consigo arumar um lugar pra sentar no PE-15 Boa Viagem ao voltar da praia nos sábados e/ou domingos à tarde. Sabe como é, né? Caldinho, peixinho, cervejinha, solzão. Tudo isso junto gera aquela modorra gostosa. Só acordo quando o busão chega na Agamenon e Sheila Bezerra me chama para descermos.

Primeiras letras

Vou republicar um texto que havia lançado aqui no Face por volta de uns quarenta minutos atrás, pois havia um erro na construção de uma frase. Pena que com isso os comentários dos meus pais tenham sido apagados também.

O que estou prestes a escrever eu já deveria ter escrito há muito tempo. Mas o brocardo nos lembra, com razão, que "antes tarde do que nunca".

Assistindo a um filme na noite de ontem, dei-me conta de que não consigo me recordar de nada relativo ao meu processo de alfabetização. Não me vem à mente sequer o nome nem a figura da pessoa (provavelmente uma mulher) que me ajudou a ler e a escrever.

Parecia-me tão natural o ato da leitura na minha vida, que a falta de curiosidade a respeito de quando, como e quem me alfabetizou me deixa completamente perplexo. Também me vi como um ingrato.

Este pequeno texto, portanto, vai como um pedido de desculpas pela falta de reconhecimento. Mas vai também como um agradecimento sincero, ainda que tardio, à professora "anônima" que me ajudou a decifrar e a fazer uso ativo deste sistema de códigos tão poderoso que é a língua portuguesa em sua modalidade escrita.


-------------- xxxxxxxx --------------

Meus pais me ajudaram a recontar esse pedacinho da minha história. Disseram lá nos comentários da postagem anterior que minha primeira mestra foi a Prof. Eva do Colégio Santa Sofia em Garanhuns. Eva, tu me apresentaste a árvore do conhecimento, induziste-me ao pecado original das letras. Obrigado, Eva. És santa no meu panteão particular.

Fiat Lux

No princípio só havia a Voz e Ela disse - Fiat Lux.
Com isso, a primeira lâmpada surgiu (já programada para se tornar obsoleta dali a pouco). Antes mesmo das estrelas, a Voz invisível do mercado já havia criado luminárias incandescentes e fluorescentes.

Imagem

No mercado das artes plásticas, para ser valorizado de modo devido (isto é, monetariamente), o artista precisa produzir dois tipos de imagem: uma é a obra de arte em si, na sua materialidade típica; outra é a imagem de que é um artista singular e, portanto, incontornável.

Haikai II

Tento ter tempo
O tempo me tem, porém
Também tem desdém

Haikai I

só me falta ar
quando quero respirar
vou me afogar

Reflexão/debate

Bom dia! Eis um pequeno texto que produzi para ensejar a reflexão e o debate.

O rito de autoanálise é fadado a não ter termo, posto que o objeto a ser compreendido - nós mesmos - não está disposto no mundo de modo concluso, embora alguns traços da personalidade tenham sempre contornos mais expressivos e sejam avessos a câmbios ligeiros. Se aquilo a que costumamos atribuir o nome de "eu" não é impermeável às influências dos seres adjacentes, a perquirição interiorizada deve intentar apenas uma compreensão geral do processo de mutação ininterrupta desta substância fugaz que imaginamos ser, renunciando a toda pretensão de uma leitura totalizante que dê cabo do sentido da nossa existência.

Recomeço

Que o recomeçar possa ser, de algum modo, remoçar, rejuvenescer.

Gírias de Recife

Ei, legal, tu é fera mesmo. Tu é altamente considerado. Tenho uns chegado por aí, mas fique peixe que nenhum é brother feito tu não, tá ligado? Um caba limpeza feito tu né fácil de encontrar por aí, né não? Na moral, doido.

Passado

Mário Quintana escreveu: “ O passado não reconhece seu lugar: está sempre no presente." (peguei na página do Prof. Antonio Paulo Rezende). Gracejando a partir do texto do poeta gaúcho, digo que o passado às vezes é um presente de grego e que o presente, por sua vez, não raro lembra uma carne de terceira mal passada.

Dúvida

A dúvida, às vezes, nasce de uma dívida que a vontade contraiu da consciência.

Whey

Me perguntaram se tomo whey. No way.

Forma

A tentação da forma é querer virar norma.

Paciência

Paciência não me parece ser um jogo de cartas de alforria...

8 horas

Meu corpo e minha mente padecem de um mal típico de outras épocas: repousar oito horas por dia.

Gerações

Gerações não se sucedem no tempo, mas se trançam umas nas outras continuamente.

Ponte de transferência

Que nenhum ser humano se considere ponto de referência, mas ponte de transferência pela qual quem passa leva algo consigo mas também deixa um pouquinho de si para quem fica e para quem vem em seguida.

Dormir e acordar

Sobre o dormir e o acordar, certa vez escrevi:

Eu não durmo: perco-me de mim mesmo. Não acordo: surpreendo-me desperto.

Perco-me de mim e surpreendo-me desperto porque nem uma nem outra "ação" é uma ação no sentido pleno da palavra, pois ambas não nascem de uma deliberação, de uma escolha ou de uma decisão consciente. Dormimos quando o sono chega no tempo que lhe convém. Acordamos quando o sono decide evadir-se ou, o que é mais frequente, quando o alarme golpeia-nos pela manhã.

Moralista

O moralista é mestre exímio de uma arte que não domina. Ele ensina pelo mal exemplo.

Mal-entendido

Um fala o que bem quer
Outro entende o que pode
Um mal-entendido qualquer
E o mundo todo se explode

Latino-americano



É o meu sangue que goteja
E o suor que pela face escorre
Em mim revoluteia peleja
Coragem nasce e medo morre

Comum x Incomum

Cada pessoa tem em comum com as demais o desejo de ser incomum.

Consumo

E vivam os dias contemporâneos nos quais é muito mais fácil demonstrar algum grau de sofisticação através do consumo do que pela produção do que quer que seja!

Justiça

Na justiça brasileira, um processo não corre porque a toda hora uma das partes sempre recorre.

Princípios

Ou tenho princípios ou o precipício me tem.

Vizinhas

Tristeza e Alegria
São velhas vizinhas.
Tão velhas que tem dia
Que as pobres velhinhas
Confundem-se de moradia.

Caminhar..

Quando se começa a caminhar o esforço para dar o primeiro passo é, muitas vezes, maior do que aquele que se dispende entre o segundo e o milésimo.

Idade

Lamuria-se o vaidoso:
"Com a chegada da idade cada aniversário converte-se no mais terrível adversário".

Mulher

Mulher,

eu falo e não calo:
que a tua utopia
não se vá pelo ralo
do tanque e da pia.

Caminhar

Caminhar dá barato e é também uma graça.