sábado, 24 de agosto de 2013

Ela sentia-se tão só que se diluía durante horas sob o chuveiro para sentir-se acalentada

Padrões são patrões

Padrões são patrões

Sadness no es sandice.

Sadness no es sandice.

Me redescobrindo ou me reinventando?

Me redescobrindo ou me reinventando?

Saudade

Saudade é uma sede da gota serena.

Livro

Que o livro não seja decoração. Que a leitura seja de coração.

Desesperar

No intervalo entre ins e expirar não vale desesperar

Insatisfeito

Certa feita tava insatisfeito,
mas isso nunca se desfez.
Até quis ser prefeito
pra mudar tudo de uma vez.

Moralista

O moralista é mestre exímio de uma arte que não domina. Ele ensina pelo mal exemplo.

Trânsito

Temos a tendência a achar que somos vítimas do trânsito. Raramente nos damos conta de que somos corresponsáveis por ele.

Ficção

Há tempos alimento uma ficção
que me confere paz e alento.
Com ela tanto faz, sim ou não...
Por ela e com ela tudo aguento.

Ego

Um rótulo eu carrego
e um adesivo de preço.
De baixo valor o meu ego:
chuva e frio eu mereço.

Santa Cruz

O Santa não é um time, é uma cruz a ser carregada.

Direções

É pobre o pensamento que atribui a uma via apenas duas direções.

Palavra e ato

Eu apalavro meu ato
E atualizo minha palavra
A mim mesmo me desacato
E nasce um eu de nova lavra

Presunção

Geralmente, um homem só é maior que outro na medida da sua presunção.

Entrevista de emprego

Entrevista de emprego:

- Uma qualidade?
- Sei reconhecer meus defeitos.
- Um defeito?
- Nem sempre reconheço minhas qualidades.

Certezas e cervejas

Quando faltam certezas sobram cervejas.

domingo, 4 de agosto de 2013

Cansar o corpo para descansar a alma.

Cidade

A cidade é música. Bairros são acordes.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Mais uma sobre tempo

Ficando para trás
Sonhos e histórias
Dramas e glórias...
Mas o tempo refaz.

Palavras insuspeitas

Existem palavras insuspeitas, mas nem por isso menos fictícias tais como os pronomes possessivos e, pasmem, os pronomes pessoais do caso reto desde que o "eu" nem chega a ser sem o "tu" e vice-versa.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Cilada

Desvio de rota
Direção errada
Leva à cilada
E não tem volta

sábado, 6 de julho de 2013

Tempo

O que o tempo traz
Um dia ele leva
O que hoje apraz
Amanhã já enerva

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Sobre o caso Morales e Snowden

As autoridades políticas da França, Itália, Espanha e Portugal são espionadas pela CIA e ainda colaboram com o governo dos EUA. Quanta subserviência.

Holocausto brasileiro

Eu costumo compartilhar os textos de Eliane Brum. Este mesmo eu o compartilhei à época de sua publicação, isto é, meados de junho. Neste artigo, Eliane Brum recomenda a leitura do livro "Holocausto brasileiro" de Daniela Arbex. O livro resgata a história de um manicômio em Barbacena (MG) onde mais de 60 mil pessoas foram mortas ao longo de algumas décadas. Depois de ter lido o artigo de Brum, comprei o livro e ele foi a minha primeira leitura de férias. O texto de Arbex é um dos poucos esforços para tentar dar visibilidade à grandiosa tragédia que se passou na instituição manicomial mineira e em tantas outras do Brasil. A maioria absoluta das histórias são desoladoras e em muitas páginas eu parecia estar lendo o relato de Primo Levi (É isto um homem?) sobre a sua estada como prisioneiro em Auschwitz. Apesar de tanto sofrimento, todavia, às vezes também tinha a impressão de estar lendo o relato de outro prisioneiro do mais famoso campo de concentração nazista, o psiquiatra Viktor Frankl (The will to meaning), pois em ambos os casos, não obstante tanta crueldade, dor e desespero, havia ainda algum espaço para beleza nas ações de muitos indivíduos que estiveram presos nestas instituições cruéis. Recomendo a leitura do artigo e do livro.

http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/eliane-brum/noticia/2013/06/os-loucos-os-normais-e-o-estado.html

Previsão do tempo

Previsão do tempo infalível: pode chover.

Dever ser

Advogo em nome do que deve ser sempre que o que é não deveria ser.

Sobre o crítico

O crítico suspeita pensar além do que as multidões ignaras são dadas chegar. O seu prazer silencioso - em tempos de Facebook não tão silencioso assim - é crer-se superior zombando dos demais, ressaltando-lhes a estreiteza de perspectiva e a pequenez de espírito. Sua frustração permanente, contudo, é não poder conduzir as levas dos pobres desinformados para fora da caverna.

Não quero reivindicar uma posição analítica privilegiada, como fazem quase todos os críticos. Quero justamente dizer que a minha posição é mais uma entre tantas.

Futebol e protestos

Eu creio que um evento da magnitude da Copa das Confederações não deveria ter acontecido no Brasil. Não queria Copa do Mundo nem os Jogos Olímpicos no nosso país. Mas é fato consumado? Vou torcer pelos atletas brasileiros. Mesmo não desejando que a Copa das Confederações fosse no Brasil, eu acabei me entusiasmando e comprei um ingresso para assistir o jogo da Espanha contra o Uruguai. Devido ao contexto político e aos gastos na construção dos estádios, contudo, eu me desanimei e não fui ao jogo. Porém não deixo de torcer pelo Brasil quando ele entrou em campo. Sou alienado por isso? Segundo muitos dos meus amigos aqui do Face, sou e ponto final. De acordo com eles, o que me satisfaz é o circo. Sim, e quem vive sem seu circo? Quem vive sem seu multiplex, sem seu café chic, sem suas séries americanas, sem sua academia? Claro que o circo é necessário, mas não é suficiente. Não quero apenas circo, mas não quero passar sem circo. Querer o circo não me exime da responsabilidade de desejar e lutar por um Brasil melhor. Por isso, comemorar a vitória brasileira no futebol não quer dizer que não estou tentando dar a minha contribuição por uma sociedade mais justa.  30/06

Futebol e protestos

Eu creio que um evento da magnitude da Copa das Confederações não deveria ter acontecido no Brasil. Não queria Copa do Mundo nem os Jogos Olímpicos no nosso país. Mas é fato consumado? Vou torcer pelos atletas brasileiros. Mesmo não desejando que a Copa das Confederações fosse no Brasil, eu acabei me entusiasmando e comprei um ingresso para assistir o jogo da Espanha contra o Uruguai. Devido ao contexto político e aos gastos na construção dos estádios, contudo, eu me desanimei e não fui ao jogo. Porém não deixo de torcer pelo Brasil quando ele entrou em campo. Sou alienado por isso? Segundo muitos dos meus amigos aqui do Face, sou e ponto final. De acordo com eles, o que me satisfaz é o circo. Sim, e quem vive sem seu circo? Quem vive sem seu multiplex, sem seu café chic, sem suas séries americanas, sem sua academia? Claro que o circo é necessário, mas não é suficiente. Não quero apenas circo, mas não quero passar sem circo. Querer o circo não me exime da responsabilidade de desejar e lutar por um Brasil melhor. Por isso, comemorar a vitória brasileira no futebol não quer dizer que não estou tentando dar a minha contribuição por uma sociedade mais justa.  30/06

Dicotomias

Estou farto das dicotomias simplórias e tentarei evitar teorias conspiratórias.

Nesse ínterim

A vida é um ínterim
Entre dois sonos
Em que vieste até mim
Para formar o que hoje somos
 

30/06

P/ Sheila Bezerra

Paródia

Amor da minha vida daqui até a terceira idade, nossos destinos foram traçados lá na faculdade.

Vossa Exceleência

Às vezes, o que muito se afirma mais se duvida. É o caso, por exemplo, da irritante e desgastada fórmula "vossa excelência". Os parlamentares parecem não crer no que dizem, do contrário talvez não se repetissem tanto.
27/06

Protestódromo

Ouvi rumores de que Eduardo Campos vai criar o primeiro protestódromo do Brasil.
27/06

Grande Imprensa

É incrível como tem gente incapaz de questionar minimamente a grande imprensa. Esta, para a maioria, é mais digna de credibilidade que o Diário Oficial.

Sobre o ministro Joaquim Barbosa

 Texto escrito em 26/06



Ontem eu escutei pelo rádio uma entrevista com o presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Joaquim Barbosa. Ele falou sobre sua conversa com a presidente da República a respeito do conturbado momento político que o Brasil está vivendo. Apesar das longas pausas, a voz do ministro me indicava certa serenidade. Gostei do conteúdo e concordei com quase tudo que ele disse acerca de suas propostas para uma futura reforma política. Chegando em casa mais tarde, assisti a entrevista novamente na íntegra, mas desta vez na tv e, para minha surpresa, embora o conteúdo e a voz fossem os mesmos, a entrevista parecia outra. A entrevista quando apenas ouvida me indicava segurança, tranquilidade. Quando vi as imagens, percebi como o ministro se encontrava nervoso. Um tique nervoso de piscar olhos o tempo todo (tique, aliás, que eu também já tive) parecia sugerir que por trás daquela fortaleza, havia um ser humano que certamente anda cansado, preocupado, pressionado etc. Sei que o que realmente vale é o que o ministro disse, e não como disse. Mas não dá para ignorar este aspecto do seu comportamento neste momento. Se você só escuta o áudio, sua impressão é uma (colocarei nos comentários o link para ouvir a entrevista completa). Se você escuta e vê a entrevista, sua impressão pode ser outra, pois raramente o ser humano centra-se apenas no conteúdo e desconsidera a forma. Se você apenas observa as imagens sem o áudio e não sabe que o homem que está falando é o mais alto funcionário do poder judiciário, será muito improvável que imagine a gravidade do tema, a contundência das ideias, a corajosa tomada de posição que o ministro exibe, pois ele parece estar demasiadamente nervoso e acuado. O vídeo a seguir (apenas um trecho da longa entrevista) mostra um homem que está lutando contra si mesmo para fazer o que precisa fazer. Algo nele o impele a calar-se. Mas também há algo, ainda mais forte, que o compele a falar. É claro que isso reverbera no corpo e não me surpreenderia que as famigeradas dores de coluna do ministro fossem uma somatização de toda essa tensão interior ou pelo menos que essa tensão interior potencializasse os sintomas de um problema de coluna realmente sério. Para finalizar, gostaria de dizer que minha intenção não é endeusar Joaquim Barbosa, mas justamente ressaltar sua humanidade. A tensão de que eu falo não é nada etérea, pois basta que lembremos que ele é um negro de origem pobre entre brancos de famílias geralmente abastadas. Sua história talvez o force a calar-se, mas a consciência do seu papel exige que ele fale e ele falou para quem quiser ouvir. Embora não endosse tudo que ele disse, não posso deixar de parabenizá-lo por suas posições corajosas.

Vinícius de Moraes

Vinícius, a poesia e a música foram o ápice da tua carreira diplomática. A arte irmana os povos. 24/06

Turista

O turista tem diante de seus olhos uma fruta. Pode até tocá-la para sentir sua viscosidade entre os dedos; pode ainda sequestrar-lhe o cheiro momentaneamente, maravilhar-se com seu odor. Mas não pode morder a fruta, saciar a tentação do paladar. O turista paga para viver experiências estéticas incompletas, mesmo assim certamente não há melhor investimento para o seu dinheiro e para o seu tempo. 24/07

Causa

"Minha causa é causar" - mote do momento.

Estratégia de protesto

Às vezes mil pessoas incomodam mais do que cem mil. Imaginem, então, 3 grupos de mil pessoas cada em lugares diferentes e estratégicos da cidade protestando simultaneamente a favor da mesma causa...  21/06

Acerca das impressões do protesto do dia 20/06

A sensação de ver tanta gente reunida (100 mil pessoas?) é estranha, confusa. Ainda estou tentando refletir sobre tudo que vi. Mas, no geral, acho o saldo positivo, apesar da pulverização de cartazes, ideias, objetivos. Fico me perguntando se em vez de uma nova mega passeata da qual participam indivíduos com as mais díspares reivindicações não precisaríamos organizar nos próximos dias dezenas de novas manifestações com pautas mais específicas e com propostas mais concretas. Não sei. Estou tentando atribuir significado a esta experiência toda. 20/06

Acerca violência nos protestos

Essas pessoas que estão tentando invadir e depredar prédios públicos não me representam. Invadir não é ocupar. Sou contra a primeira forma de ação pois ela geralmente vem repleta de destruição, violência, além de ser vazia de conteúdo, diálogo e projeto. Sou a favor do segundo modo de agir porque ele reivindica, pressiona e abre a possibilidade do diálogo e da transformação.
20/06

Vem pra rua que a rua é a maior arquibancada do Brasil

Rua não é arquibancada porque não somos plateia ou torcida, mas protagonistas.
20/06

Hipocondríaco

Já está doente quem vive permanentemente com medo de adoecer.
14/06

Mistério

Quem se leva muito a sério comete adultério contra aquelas partes de si que lhe são um mistério.

12/06

quarta-feira, 12 de junho de 2013

(RE) ENCONTRO

Se não é possível entrar duas vezes no mesmo rio, então não existe reencontro. Só há encontro.

Rebeldia

A rebeldia é o protótipo da liberdade.

A rebeldia é o primeiro ato da liberdade.

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Sempre o tempo

Derramam-se as horas
Que o tempo contém.
O momento (o agora)
Não tarda e já é recém.

Tatuagem

Minha tatuagem,
Ao meu ver,
Não é só imagem
Mas modo de ser.

Bunker

Não me entendam mal, mas só quem consegue entrar num bunker alemão usado na 2ª Guerra e dormir um sono tranquilo à noite é um nazista ou um turista.

Casa

Quando a memória dita as ordens na casa da consciência é sinal de que a esperança foi comprar cigarro e não voltará mais.

...

Se foi mesmo já é
Sendo não é mais
Ou será assim até
Quem sabe, rapaz

Turista

É muito bom viajar para um lugar diferente. A sensação é de fato prazerosa. Mas gostaria de conhecer as pessoas do lugar. Eu sei que há gente aos montes pelas ruas, visitando monumentos. Mas é como se elas também fossem paisagem, pois só as vemos de passagem. No final, resta uma impressão de incompletude. Quero mais que isso.

Abdominais

Minha barriga abomina abdominais.

Tentação

A tentação do crítico é julgar sem justificar.

Traído pelo destino

O destino me traiu e desde então estou de caso com o acaso,mas não quero me casar.

Verdadeiro encontro

Num verdadeiro encontro algo do ego se perde.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Mania de grandeza

A mania de grandeza da forma é querer virar norma.

Poente

Todo poente é um poema.

Objeto

Se tratas alguém
Como um objeto
Desperdiças teu bem
E te tornas abjeto

Mistério

A busca por um critério é o desejo de desfazer todo mistério.

domingo, 19 de maio de 2013

Siso

O siso* é um dissidente.

 * A grafia correta é esta mesma, segundo o Houaiss.

Apolíneo x dionisíaco

Quando o dionisíaco prevalesce sobre o apolíneo, este vira um menino buchudo chamado Apolinho.

Campeonato estadual

Campeonato estadual é arenga de irmãos

Frase de efeito

Quantas frases de efeito não camuflam um pensamento vacilante?

Elogio e crítica

Eu me indago sobre qual carência oprime mais o ser humano: a de ser elogiado ou a de criticar seus semelhantes (aliás, seus inferiores rsrs).

Preguiça

Um amigo bastante preguiçoso me confidenciou:

- Faça chuva ou faça sol o melhor lugar pra ficar é debaixo do lençol.

Reclamação

Eu quero reclamar contra as pessoas que reclamam daquelas que gostam de reclamar.

domingo, 12 de maio de 2013

Os dias

Os dias vêm e vão, mas isto não significa que vêm em vão.

sábado, 11 de maio de 2013

Metáfora

Algumas metáforas são tão precisas que se tornam necessárias e, depois delas, o assunto fica por encerrado mesmo. Exemplo: "É que Narciso acha feio o que não é espelho".

Antropologia

Eu diria que a essência humana enraíza-se na narração. O ser humano é o bicho que conta histórias. E eu diria ainda que se vive quase apenas para se ter o prazer de contar o vivido.

Prêmios

Em vez de prêmios oficiais escolho a companhia de boêmios colossais.

Varão

Muitos varões pensam que se não se emulam se emasculam.

Lograr êxito ou ledo engano?

Algumas palavras parecem existir apenas se acompanhadas e, além disso, são monogâmicas, isto é, sempre estão juntas de outras, toda a vida as mesmas. Tomem o caso de "ledo", por exemplo. Nunca li "ledo" sem ter lido em seguida "engano". Outro caso de que me recordo: jamais li o verbo "lograr" (flexionado ou não) dissociado do substantivo "êxito".

sábado, 27 de abril de 2013

Amém

O aquém e o além são ligados por um amém.

Remédio ruim

Remédio ruim a gente toma de uma vez, num gole. Livro bom também.

Perspectiva

Toda perspectiva nos mostra um lado e de outro nos priva.

Ócio

Vejamos o ócio como um mestre e não como um monstro.

Truísmo

Quem é avesso à poesia não gosta de verso.

Farol

Às vezes um farol ilumina mais que o sol.

sábado, 20 de abril de 2013

Máscara

Tire a máscara. Seja cara de pau.

 Tire sua máscara. Mostre sua cara má.

Doutorado em Ciências Confusas e Paradoxais

Amigxs, acabei de defender minha tese de doutorado na Universidade de Moscou. Escrevi uma tese de 500 páginas sobre o nada e a apresentei ao Depto. de Ciências Confusas e Paradoxais. A defesa durou 8 h e ocorreu por telepatia. Sinto-me aliviado e gostaria de agradecer a todxs que me incentivaram com suas contribuições que valeram nada.

Apreço

Tenho muito apreço por tudo que não tem preço.

Solidão

Na rotina,
Há solidão.
Toda esquina
É contramão.

terça-feira, 2 de abril de 2013

Certeza



A certeza me constipa as poucas ideias que poderia vir a ter.

ou 


A certeza me constipa as ideias.


?????????????

Oração ao Acaso

Em primeira mão revelo um trecho de um romance que estou escrevendo. Este excerto é uma oração dedicada ao acaso e ela foi escrita por um personagem de índole cética.

Oração ao Acaso

Eu te escrevo apenas para organizar minhas próprias ideias, pois você – se é que você tem identidade, personalidade e essas coisas ligadas à subjetividade – não me escutará mesmo. Entrego em tuas sinistras mãos todos os meus projetos; confio minhas intenções à tua sapiente e surpreendente desrazão. Que o amanhã reserve-me sempre algumas doses de suspiro e que o teu supremo inimigo – O Tédio – nunca estenda sobre mim suas garras. Que as dádivas dolorosas com que me regalas não se estendam ao infinito. Que as tediosas alegrias com as quais me fustigas o corpo e a alma também sejam efêmeras para que eu não me iluda a crer que o indecifrável existir tem algum sentido perene. Que assim seja ou não seja.

domingo, 31 de março de 2013

Niilismo de fim de feriado.


Quando assoma o fastio,
cresce uma indiferença.
Nem a chuva nem o estio
Geram bem ou malquerença.

31 de março

Existem algumas ironias nos acontecimentos ou pelo menos no modo como os interpretamos. Hoje, celebramos a Ressurreição de Jesus, mas há 49 anos começava a Paixão (sofrimento) da legalidade no Brasil com os primeiros atos do golpe que redundou na Ditadura Militar. Levando ao extremo a analogia um tanto quanto imprópria - eu sei -, a Ressurreição somente ocorreu mais de 20 anos depois (segundo alguns com a eleição - indireta - de Tancredo Neves e a posse efetiva de Sarney e, de acordo com outros, com a eleição de Fernando Collor). Mas pelo jeito a ressurreição da legalidade ainda não nos salvou de fato. Porém, é claro que prefiro este arremedo de democracia a qualquer modelo de governo que se assemelhe minimamente com o que por aqui imperou durante os malfadados "anos de chumbo".

Lugar

Depois de ouvir Rubem Alves dizendo (vou relatar com minhas palavras) que é uma bobagem enorme voltar a visitar um lugar que amamos muito porque nunca vamos encontrá-lo tal qual foi, cheguei finalmente a compreender que lugar não é só espaço, recorte geográfico, mas é também tempo.

Tempo e relógio

O relógio é o capacho do tempo.

Riacho

Deixo-me levar pelo fluxo do riacho.
E perdendo-me assim
De todos e de mim,
Sem querer novamente me acho.

Espírito patriótico x espírito crítico

Cheguei atrasado uma vez numa aula da faculdade. Na ocasião, o professor estava falando com grande entusiasmo sobre o filósofo Walter Benjamin. Noutro momento, um professor diferente citou Jorge Luís Borges de maneira apaixonada. Em ambas as ocasiões meu coração bateu de modo diferente. O que mexeu comigo foi a esperança de que, devido aos seus nomes, estes autores fossem brasileiros. Mais recentemente, quando ouvi a notícia de que o novo Papa escolheu para si o nome de Francisco, por um instante de irracionalidade, achei que ele fosse brasileiro. É provável que o meu espírito patriótico se sobreponha ao meu espírito crítico e, no fundo, a influência de Galvão Bueno deve ter sido mais marcante sobre mim do que a dos mestres que tive na faculdade. Mas isto é uma confissão e não uma acusação.

Pessoas incomuns

Pessoas incomuns como Dom Helder são seguidas por uns e perseguidas por outros.

Máxima do "salve-se quem puder"

Máxima do "salve-se quem puder": só faço ao outro o que eu não faria por mim. Desaprovo, evidentemente, esta toada.

Ética e estética na infância

É curioso, mas parece que as primeiras categorias morais no vocabulário de crianças muito novas são oriundas do campo estético: uma pessoa má é feia, por exemplo.

E o mais?

Expressão típica de pernambucanos quando não tinham mais o que dizer ao telefone, mas, ao mesmo tempo, não queriam desligá-lo: "e o mais?".

Usei os verbos no pretérito imperfeito porque este hábito está caindo em desuso. #Só os velhos entenderão!

Deferência

Quem trata a si mesmo com tanta deferência certamente sofre da absoluta falta de outras referências. Relativize-se.

Feliciano não me representa

Basta: todo santo e bom ano
o inacreditável acontece.
Desta vez foi um tal de Feliciano:
Deus não escuta minha prece.

Tráfico

Todo tráfico é, em alguma medida, uma forma de tráfego ilegal ou, pelo menos, imoral - o que não é pouca coisa.

quinta-feira, 21 de março de 2013

Falta

Um se farta do que ao outro faz falta.

O máximo

Nem tanto nem tão pouco: quero no mínimo o máximo.

Sábado

E o sábado passou como passa um sapato velho nos pés da vida que segue trôpega seu caminho.

sábado, 16 de março de 2013

Caminho vago



Sempre o mesmo
Caminho vago.
Ando a esmo
E triste divago.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Artista e obra


Artista e obra:
Se um se vai
Tudo decai
E nada sobra...

Será mesmo?

quarta-feira, 6 de março de 2013

Rima

Saudade não rima com felicidade.

Amanhã

Amanhã eu estive
Sozinho contigo.
A temida morte vive
Perdida em seu abrigo.

Imprevisibilidade

.......Não dá para sustar
A chuva de imprevisibilidades
Levo susto e prendo o ar
Toda vida pela eternidade