terça-feira, 11 de setembro de 2012

Especialista

Não consigo me tornar especialista em nada: tudo me parece tão especial. Pode ser preguiça também.

Ciclo

Como sair deste ciclo?

Quando falo, não importa o que diga, digo quem sou. Ao dizer quem sou, condeno quem não sou.

Basta

Se um sacerdote subir ao púlpito para condenar a homossexualidade, não logrará senão aumentar o ódio. Com seu discurso, ele não fará calar o desejo – que é o que define a orientação sexual de uma pessoa – mas acalentará o ódio dos ignorantes. E mesmo que não diga, é este seu propósito, pois assim se verá à frente de uma massa raivosa que se crê santa. Para aumentar seu poder, isto basta.

O crítico

Talvez o crítico, do alto de sua pretensa altivez, rejeite com o mesmo prazer que um burocrata quando este escreve “INDEFERIDO” num documento qualquer. Por suposto, tem mais estilo que o funcionário público. Com alguns rapapés justifica-se ao leitor e sua rejeição desdobra-se em desdém filigranado.

Rios

Nem tudo que reluz é Douro.
Cintila mais, sem pejo, o Tejo.
Aqui, na civilização do couro,
Brilha todo riacho que sai do brejo.

Movimentos sociais

As circunstâncias sociais praticamente obrigam os movimentos sociais a existir. Mas cada militante de um desses movimentos deveria desejar, no seu mais íntimo, que um dia o movimento pelo qual ele/ela levanta faixas, bandeiras e a própria voz deixe de existir.

Eu falo

Não me calo:
Eu falo
Até fazer calo
Nas cordas. Fui claro?

Divã nordestino

Se Freud fosse nordestino, o divã de seu consultório poderia ter sido uma rede.

Pranto

Em cada esquina
Em todo canto
Há uma mina, 
Pólvora e pranto.

Insônia

Que ideia vaga a informação da idade da Terra! 5 bilhões de anos? Nada que se compare com a sensação de uma noite insone: esta sim de uma duração sem fim.

Maturidade

A maturidade é uma tecelã que, vagarosa e silenciosamente, fia a mortalha da ingenuidade.

Arte

Cura e fere
Simultaneamente.
Interfere,
Muda, na mente.

Arte

Uma das possibilidades da filosofia é a de questionar estruturas de pensamento e de organização social. O mesmo vale para as ciências sociais. Mas me parece que as artes podem ser, neste quesito, ainda mais eficientes, já que tocam no "calcanhar de aquiles" dos seres humanos, ou seja, fustigam as emoções e os sentimentos. É difícil não nos dobrarmos e não reavaliarmos posicionamentos quando o conteúdo das ideias são postos sob mil formas sublimes em que se revelam nas obras de arte.

o argumento se deita na cama preparada pela emoção.

Gana

Tudo ou nada
É mero detalhe.
A gana danada
Ignora achincalhe.

Utopia

Viver além das dicotomias
É um sonho, uma utopia.
Ai, como eu muito queria
Lograr isto um belo dia.

Corrupção

Não é necessária uma consulta à etimologia da palavra para termos uma noção do significado de corrupção, até mesmo porque raro seria aquele que deixaria de praticar um ato desta natureza depois de saber que, em latim, corruptus tinha o sentido de algo quebrado em pedaços e o verbo corromper indicava o processo de putrefação. Ainda assim, quem recorre a essas metáforas originais põe um verniz fino de erudição em sua figura enquanto transmite a impressão de ser incorruptível.

Reação

Mas o que te aflige?
Arre, que fastio!
Ao menos finge 
E mostra algum brio.

No espírito de Parmênides

Sigo e me reinvento
Mas não é suficiente
Eu tento, tento e tento
E sou sempre o mesmo ente.

Memória

A memória não é um baú. Está mais para demiurgo que, com a plasticidade das emoções, reinventa sem parar o passado.

domingo, 2 de setembro de 2012

encruzilhada

... porque meu desejo é encruzilhada e minhas pernas insistem em caminhar juntas