sábado, 26 de maio de 2012

UNIVERSAL

 

Todos almejamos o idílio do etéreo, do universal. Mas o calo dói, a barriga ronca, a palavra humilha, o olhar despe e a mão enforca. Aqui, no rés da vida, catamos migalhas ainda.

Nenhum comentário: