quinta-feira, 28 de julho de 2011

Problemas públicos e soluções privadas





Tenho a impressão de que cada vez mais no Brasil problemas de interesse público são resolvidos - se é que são mesmo - no âmbito privado. Questões como saúde, educação e segurança, por exemplo,  dizem respeito a todos os indivíduos, mas a inépcia do nosso Estado em garantir o direito aos referidos serviços leva-nos a buscar soluções particularizadas em vez de nos motivar a lutar pelos mesmos coletiva e orrganizadamente. Por quê?

Um problema de tal magnitude certamente não pode ser equacionado com uma fórmula de uma variável apenas. Mas suponho que, não obstante outros fatores, a nossa percepção do espaço público é deficitária ou quase inexistente. Lembro-me de um professor (Antônio Paulo Rezende) quando certa vez disse-nos em sala que no Brasil não é incomum encontrar pessoas achando que público é aquilo que não é de ninguém, em vez de perceber que público é o que é de todos.

Se o mestre estiver correto - e quero crer que de fato ele está - há no Brasil uma diminuta identificação das pessoas com o espaço público, o que faz com que elas em geral não se esforçem para zelar pelo que é desta esfera. É uma percepção empobrecida do espaço público, não há dúvida. Quem tem mais condições financeiras não hesita em fugir das garras dos serviços públicos e passa a pagar pela educação, saúde e segurança para si e seus filhos.