terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Corpo

Em homenagem ao meu cansaço, fiz esse poeminha pessimista para dele rir-me:

Este corpo que sou
É débil, muito frágil.
Num átimo soçobrou
Esta carcaça outrora ágil.

Nenhum comentário: