sábado, 12 de março de 2011

Liberdade


O fato de não sermos absolutamente livres não implica o contrário, isto é, que não sejamos livres em nenhum grau. Tenho me deparado recentemente com pessoas que negam a existência de qualquer gradação de liberdade simplesmente porque algumas (ou muitas) restrições as impedem de fazer tudo que querem (me pergunto se fazer tudo que queremos não seria outra forma de servidão: servidão à vontade, ao desejo).

Nossa liberdade não é irrestrita, mas não é tampouco inexistente. Diante de qualquer situação vivida, restam-nos sempre duas opções ao menos. Se não tenho liberdade para fazer tudo, tenho liberdade para fazer algo.

Essa deixa de ser uma discussão abstrata quando nossas pequenas liberdades - que muitas vezes nem as reparamos mais - são ameaçadas. Uma afronta à liberdade de votar ou não dos jovens brasileiros de 16 e com menos de 18 anos provavelmente causaria uma forte reação. Imagino que muitos desses adolescente que nem fazem questão de votar, ficariam revoltados se a legislação lhes dissesse: É PROIBIDO VOTAR ANTES DOS 18 ANOS DE IDADE.

Esse caso é apenas para ilustrar a existência de pequenas liberdades em nossas vidas, as quais muitas vezes nem são percebidas.

PS: sei que a liberdade de votar ou não não é condição suficiente para a democracia, mas é condição necessária.

Nenhum comentário: