domingo, 14 de fevereiro de 2010

Analogia

A narrativa histórica que conduzi durante uma aula do ensino médio, dias atrás, fez-me relacionar intimamente (e não pude mesmo evitar) o fordismo e o taylorismo nos seus piores usos com a política de publicação em voga hoje nos centros acadêmicos brasileiros. Não é incomum que a analogia imagética quando se impõe à nossa mente seja um bocado leviana, por isso me eximo de explorá-la, pelo menos por ora. Fica a comparação à guisa de provocação.

Diário de viagem

Passei quatro dias em Buenos Aires e cada um deles foi de descobertas encantadoras. Antes da viagem, naturalmente, o meu desejo de conhecer as tão propaladas belezas da capital argentina me entusiasmavam, mas o que ansiava mesmo era conhecer as pessoas e os seus costumes, junto com as suas opiniões. Esse desejo não foi saciado, mas, ao contrário, ampliado. Um dia volverei às terras portenhas e nelas me quedarei mais sossegadamente a espreitar a vida desse povo tão gentil e atraente que é o argentino.