sábado, 26 de setembro de 2009

Estofo

O céu se desidratava lá em cima e com isso castigava aqui embaixo essa cidade construida sobre a lama. Salvei-me num táxi cujo condutor falou-me sobre o velho estofo do sofá de sua casa e o valor que teria de empregar para concertá-lo. Disse-lhe o que pensava, paguei e fui embora. Meses depois disso, num dia de febre do céu, peguei um táxi refrigerado e o motorista voltou a falar sobre o ainda mais velho estofo do sofá da sua sala. Dei-lhe os mesmos conselhos, paguei a corrida e desci do carro, ruminando meus velhos problemas, envolto no estofo roto da minha vida.

Nenhum comentário: