domingo, 26 de julho de 2009

Equilíbrio humano

Em cada um de nós se conjuga em perfeita proporção o previsível e o surpreendente.

Um comentário:

Agnon Fabiano disse...

Acho que o termômetro do nosso "previsível" e "supreendente" (este último no sentido de surpresa) é o PRAZER. A criança se SURPREENDE com tudo e, por isso, é o próprio símbolo da alegria. O ancião, com toda uma experiência de vida, já PREVÊ muitos dos acontecimentos, e, digamos, é o símbolo da rabugice.

Com o passar dos anos, o "surpreendente" vai dando lugar ao "previsível" e o prazer vai naturalmente diminuindo.

A busca pelo prazer diminuiu a própria capacidade de senti-lo. Parafraseando Chesterton, buscando o prazer, o ser humano perdeu o prazer principal; pois o prazer principal é a surpresa. Por isso ficou evidente que se alguém quisesse ampliar seu mundo, maravilhar-se, surpreender-se, precisaria estar sempre diminuindo a si mesmo.

Abraço, amigo.