sábado, 7 de fevereiro de 2009

Vida rica

Tão rica a vida é, tão repleta de instantes variegados e inusitados, que mesmo uma pessoa vivida dificilmente pode perder a capacidade de surpreender-se.

Um comentário:

Agnon Fabiano disse...

"Crusoé é um ser humano numa pequena ilha com uns poucos confortos que acabam de ser arrancados do mar; a melhor coisa no livro é simples­mente a lista dos objetos resgatados do naufrágio. O maior dos poemas é um inventário. Cada utensílio de cozinha torna-se ideal porque Crusoé poderia tê-lo deixado cair no mar.

É um bom exercício, em horas vazias e desagradáveis do dia, olhar para qualquer coisa, [...] e pensar que alguém poderia sentir-se fe­liz por ter tirado aquilo de um navio afundado perto de uma ilha deserta. Mas é um exercício ainda melhor lembrar-se de como todas as coisas passaram por esse salvamento por um triz: tudo foi salvo de um naufrágio. Todos os homens passaram por uma horrível aventura [...]

Mas eu realmente sentia (a fantasia pode parecer boba) como se toda ordem e número de coisas fossem as sobras românticas do navio de Crusoé. O fato de existirem dois sexos e um sol era igual ao fato de existirem duas armas de fogo e um machado. Era extremamente indispensável que nada se perdesse; [...] As árvores e os planetas pareciam coisas salvas de um naufrágio; e quando vi o monte Matterhorn, senti prazer por ele não ter sido esquecido na confusão..."

(Chesterton)

http://agnonfabiano.blogspot.com/2009/02/o-naufragio-da-vida.html