segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Érico Veríssimo e a universidade



Érico Veríssimo é um dos escritores de que mais gosto. Tive a felicidade de ter o contato com ele ainda na adolescência, pois meu pai possuía a coleção de todas as suas obras. Passei momentos de intensa emoção ao acompanhar leituras como "Incidente em Antares", "Olhai os Lírios do Campo", "México", "O Senhor Embaixador", "Clarissa" e os incomparáveis volumes de "O tempo e o vento". Um mestre. Por toda a minha vida levarei em minha mente as excelentes histórias e ensinamentos que jorram de seus livros.
Tamanho era o seu talento que, mesmo tendo apenas o curso secundário, dava aulas no Mills College (Oakland, Califórnia) de Literatura e História do Brasil. No nosso país, porém, ele jamais poderia lecionar numa universidade. Este fato me faz pensar que nos concursos para docente nas universidades públicas brasileiras deveria haver espaço para pessoas como Érico, desde que passassem por um concurso público rigoroso, inlusive disputado contra doutores. Afinal, como ouvi certa vez da boca do autor do colossal O Romance da Pedra do Reino (que, aliás, também lecionou em turmas formadas por alunos com mais titulação do que ele), há doutores que não são doutos e doutos que não são doutores.

2 comentários:

Dodô disse...

grande Jéferson! maravilha de texto! vou ler ávidamente o de Machado. Estou pesquisando as crônicas dele.

Agnon Fabiano disse...

Jefferson, excelente!