domingo, 16 de março de 2008

Poética da catarse sinestésica.

Poesia de 2003 (quando eu tinha um Deus).

Poética da catarse sinestésica.


Aquela poesia que desce
Ao menos à superfície
Do Intangível Ser, se desse,
Desejaria ser seu artífice.

Respirar Suas cores,
Lamber seus odores,
Aliviar minhas dores,
Curar meus torpores.

IX/VII/MMIII

Nenhum comentário: