domingo, 16 de março de 2008

Ar-condicionado, o sopro da vida

Pra finalizar a publicação da série de antigos poemas que escrevi.


Ar-condicionado, o sopro da Vida

Arranha-céu:
Ar-condicionado,
Gravata, sorriso,
Gestos, sim senhor,
Tudo condicionado.
Repartição Pública:
Ar-condicionado.
Condiciona-se, convenciona-se.

3 comentários:

Anônimo disse...

Gostei muito...trocadilhos muito inteligentes...Abraço enorme meu amor...sheila.

Anônimo disse...

Adoro seus trocadilhos. as reflexões em cima de algo tão cotiadiano. Pequenas crônicas com a profundidade da poesia, que toca.

Anônimo disse...

Muito legal o jeito que você escreve, Jeff. Pequenas crônicas com a profundidade poética, que toca.